26/04/2015

Projeto Liga das Otomes #6 [final]: Preconceito


Oprismáticos, como vocês estão? Vocês já devem ter notado, mas eu estou fazendo algumas pequenas mudanças no layout do blog (sou daquelas que acaba enjoando rápido e adora sair fazendo modificações atrás de modificações). Antes de mais nada, aliás, preciso compartilhar com vocês que o Prismática conseguiu bater a sua primeira meta: alcançamos a marca dos 80 seguidores! Muito obrigada a todos vocês, do fundo do meu coração, vocês não tem ideia do como eu fiquei feliz com essa pequena conquista. Agora, vamos com tudo rumo aos 100? Acho que é este o espírito.

Mas as emoções do post não param por aqui! Hoje é o dia do sexto e último post do projeto "Liga das Otomes", o que é muito animador por um lado, porque conseguimos levar o projeto até o final, mesmo com as dificuldades e correria do dia-a-dia de todas nós, mas que também é triste, justamente por saber que este é o último tema, e a última postagem de um projeto que eu adorei participar, com meninas que eu também adorei conhecer. O tema final foi escolhido pela Geisa, do Cantinho da Geisinha, e será sobre preconceito, um assunto que vale muito a pena ser apresentado, e achei uma excelente escolha para finalizar da melhor maneira o nosso projeto. Continue lendo e confira o post final da Liga das Otomes.

Projeto Liga das Otomes: Preconceito
Uma discussão importante

Quando recebi o tema final pensei em que tipo de postagem escreveria, se seguiria os modelos mais pessoais dos dois últimos posts, ou se tentaria abordar o tema de uma maneira mais genéria e também mais ampla; então, eu decidi pela segunda opção, mas também sem deixar de expor um pouco de minha opinião. Primeiramente, vamos definir o que é o preconceito em si:
Preconceito é um juízo pré-concebido, que se manifesta numa atitude discriminatória, perante pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. É uma ideia formada antecipadamente e que não tem fundamento sério, um senso comum. O preconceito pode ser fruto de uma personalidade intolerante, porque são geralmente autoritários e acreditam nas normas do respeito máximo à tradição, e são hostis com aqueles que desafiam as regras estabelecidas.{Fonte}
Existem diferentes formas de manifestação do preconceito, que podem ser simples pensamentos banais (porém maldosos), até a formas violentas e opressivas, podem ainda ser direcionados a diferentes públicos: pessoas sofrem preconceito por causa de sua classe social, sua origem étnica, sua religião, seu sexo ou orientação sexual, por sua aparência ou até mesmo pelos seus costumes e gostos.


E o preconceito não é somente o machismo, o sexismo, a homofobia ou o racismo. Alguns comentários que nós nem nos damos conta podem ser preconceituosos. O mais terrível é observar que o preconceito já começa desde que somos crianças. Embora ninguém nasça preconceituoso, pois como já dito, o preconceito parte do senso comum, é como se a criança fosse ensinada a ser preconceituosa ao longo de seus anos. Coisas como "você é menina, não deve ficar jogando bola por aí", ou então "não chore, meninos não devem chorar é coisa de menina", "você não pode comer assim se não vai ficar gordo e feio", comentários que são comuns mas que acabam criando o pensamento de que ser gordinho é feio, que existem coisas que meninas (ou mulheres) não podem fazer, que atitudes que aproximem ao "comportamento feminino" são uma ofensa aos garotos. E assim o preconceito vai nascendo e se tornando maior, e pior, cada vez mais estereotipado e menos tolerante. Quando menos percebemos, estas idéias preconceituosas já fazem parte de nossas atitudes.


Pensei em diversas formas de abordar o preconceito, mas pensando a respeito  do tema e da origem de nossos preconceitos, cheguei a conclusão de que além dos comentários que ouvimos de nossa própria família e pessoas ao nosso redor, a mídia é uma das maiores contribuintes para a formação dos estereótipo. No entanto, da mesma forma que eles são capazes de gerar discriminação, eles também podem mostrar a importância da aceitação das diferenças e da tolerância, e foi este o foco que eu escolhi dar ao meu post, apresentar alguns doramas, animes e mangá que tratam desta tolerância, e ajudam a acabar com o preconceito, ou pelo menos tentar amenizá-lo.

 Reply 1997 

Escolhi Reply para entrar nesta lista por trazer um personagem homossexual assumido em sua trama, ainda levando em consideração que a Coreia é um país muito homofóbico apesar de todas as cenas que os ídolos do Kpop sempre fazem em seus shows. É claro que Reply 1997 não é o único dorama/novela que trás um personagem gay, mas JoonHee é absurdamente cativante e o que eu mais adorei no personagem é como ele mostra que gostar de alguém do mesmo sexo não é uma escolha, é uma forma de amor como qualquer outra, e ela simplesmente acontece. Já ouvi vários comentários de que está virando "moda" se assumir homossexual, mas eu me pergunto: isso pode mesmo ser chamado de "moda"? Sinceramente, será mesmo que alguém escolhe passar por tanta discriminação e preconceito, além do medo de ser julgado e até mesmo agredido por causa de "moda"? Acho que não né?
Também já ouvi algumas pessoas mais velhas questionando a presenta atualmente frequente de casais homossexuais nas novelas, algo do tipo "porque agora toda novela precisa ter casais gays? As crianças também assistem, assim elas vão achar que isso é normal, que absurdo" Senhora, absurdo é esse tipo de pensamento, e sobre o que considero realmente errado para as crianças assistirem são as cenas completamente obscenas que sempre estão presentes nas novelas e que não tem relação com os casais homossexuais; e eu também acho correto que as crianças conheçam desde pequenas que existem pessoas que gostam de pessoas do mesmo sexo, e que não há nada de errado nisso, e que é normal sim!

 Lovely Complex 
O preconceito abordado em Lovely Complex faz parte daquele preconceito que vem dos estereótipos de casais, inclusive, a protagonista também foge bastante do estereótipo das meninas dos mangás/animes shoujo. Risa não é uma garota frágil e meiga, além de tudo, ela é muito alta, e Otani é muito baixo. A ideia que a história trás é "Qual a altura média para poder amar? Ou o amor vai muito além de nossos complexos? Será que o que tem de combinar é a altura ou o coração" Afinal, porque as meninas precisam ser sempre fofinhas e delicadas, e os meninos precisam ser "machões"? Fugir dos padrões não faz mal a ninguém.

 Accel World 
Accel World é um dos poucos animes que eu conheço, ou melhor, o único, em que o protagonista é um garoto completamente fora dos padrões: ele é baixinho, e gordinho. Mesmo que eu não tenha curtido tanto assim o anime (por achar as personalidades dos personagens bem fracas e a história não me prender o suficiente) eu também ouvi muitas críticas contra o protagonista, o Haru, justamente por ele ser fora daquele modelo pré-estabelecido dos protagonistas e ser o típico garoto alvo de bullying, mas também, pelo fato da menina bonita da história, a Kuroyukihime, além de mais várias outras meninas, serem a fim dele. Incrivelmente, este foi o único detalhe do anime que eu gostei, não do harém sem sentido, mas a existência de um personagem fora dos padrões, que não gostava de si, mas que passa a se aceitar aos poucos.

 Sailor Moon 
Eu acredito que poderia ter feito o meu post inteiro baseado em Sailor Moon, justamente pelo fato da série abordar as mais diversas temáticas, incluindo principalmente o sexismo e a homossexualidade. Encontrei um parágrafo no site Mundo.Blá que descreve muito bem a importância da série: 
Dividida em cinco “fases”, Sailor Moon aborda as mais diversas temáticas, tais como: sexualidade, religião, suicídio e sexismo. A autora faz um trabalho especialmente interessante ao pegar um estereótipo da sociedade e usá-lo para quebrar vários outros – a protagonista, por exemplo, é uma perfeita representação do que é considerado socialmente aceitável para a figura do “feminino” (uma princesa cheia de corações, laços e fitas cor-de-rosa), mas é justamente isso que a faz uma guerreira forte o bastante para derrotar os seus inimigos, ou seja, é isso que permite que ela tenha sucesso em um papel social tipicamente masculino. Sailor Moon é conhecido por renovar o gênero mahō shōjo (histórias sobre garotas mágicas), colocando no papel feminino a figura de uma heroína que luta contra o mal – e não uma menininha que brinca com super poderes, como geralmente acontecia até então nas publicações desse tipo.
Além disso, Sailor Moon trouxe o casal Sailor Uranus e Sailor Neptune, um casal gay em uma época em que pouco se falava sobre o assunto.

Bem, este foi o post de hoje! O tema teve um nível de dificuldade um pouco maior para mim, mas eu quis terminar o projeto da melhor maneira possível, então me esforcei para fazer o meu melhor, espero que tenham gostado. Queria agradecer mais uma vez as meninas do projeto, e dizer que foi um prazer muito grande participar da Liga das Otomes com vocês! E muito obrigada também a todos que acompanharam o projeto e deixaram seus comentários!

Então, a Liga das Otomes fica por aqui. Se você perdeu algum post da série, pode encontrar elas aqui: #1: Livro Favorito, #2: Série Favorita, #3: Banda Favorita, #4: Animais de Estimação#5: Esportes!. Também não deixem de conferir o post final das outras meninas do projeto:
Deixem seus comentários e também curtam a nossa página no facebook! Nos vemos na próxima postagem, certo? Beijos!

10 comentários:

  1. Yoo, Emy, também achei muito interessante o post escolhido dessa vez.
    Os animes nos ensinam muitas lições, basta você abrir os olhos e perceber que por traz de todo personagem existe uma historia de superação, altruísmo, força de vontade e etc.
    Isso que você disse sobre desde pequenos nós sermos ensinados a ter preconceito é um fato, infelizmente. Ainda tenho fé que ainda teremos um mundo onde as pessoas amam mais o próximo independente de qualquer que sejam suas escolhas.

    Bjinhos
    Jeh
    ~Uma Geek Descolada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jéssica!
      Concordo com você, é só você prestar mais atenção que vai perceber que todo anime tem uma lição a passar.
      Também desejo acreditar que futuramente, quem sabe, possamos ter um mundo onde as pessoas se amem mais, e julguem menos as decisões e preferencias alheias. Acho que contanto que estejamos felizes e não façamos mal às outras pessoas, não há nada errado em nossas escolhas.
      Beijos!

      Excluir
  2. Love com é uma coisa que acontece muito! Minha melhor amiga e a prima em que eu sou mais "chegada" são altas e já namoraram caras menores, os coitados eram sempre zoados por causa delas.
    Preconceito é uma coisa tão boba! Acho que todos deveriam aceitar que se o mundo fosse feito apenas de coisas iguais nunca teria graça viver. ~

    http://matsu-ruka.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nunca passei por algo como LoveCom porque sou baixinha, então seria dificil achar alguém menor do que eu ;3; hahaha'
      Concordo 100% com você! "cho que todos deveriam aceitar que se o mundo fosse feito apenas de coisas iguais nunca teria graça viver."
      Beijos!

      Excluir
  3. Yooooo belezura!? \o/
    Primeiramente.....PARABÉNSSSS PELOS SEGUIDORES \O/ ~dancinha comemorativa~ aos pouquinhos cê vai ostentando cada vez mais! XD
    Enfim, dentre todos os preconceitos acredito que um dos piores seja aquele que vem mascarado, que está tão enraizado que nós nem percebemos que estamos sendo preconceituosos, como essa história de "Homem não chora" ou "Não coma muito, pois vai ficar gordo" (apesar que por questões de saúde é bom que a pessoa mantenha um peso que corresponda a sua altura, afinal ninguém aqui quer infartar do coração, MAS isso é história para outro post). Esses preconceitos já enraizados são os mais difíceis de se combater, pois além de serem difíceis de se identificar são coisas que já estão inseridas em nossa cultura, por exemplo: Culturalmente nosso esteriótipo de beleza é ser magro, porém na Idade Média, o ideal de corpo era justamente um mais gordinho, pois significava que a mulher tinha potencial para gerar muitos filhos e que todos seriam saudáveis, se comparada com uma mulher magra.
    Sobre o homofobia e homossexualismo, eu tenho uma opinião um tantinho complexa, mas tentando resumir ela, eu acredito sim que tenham aquelas pessoas que vão por modinha (afinal, existe maluco para tudo nessa vida), no entanto, acredito que seja uma pequena minoria, pois assim como você disse, ninguém quer sofrer preconceito, afinal, infelizmente ainda hoje é bem difícil a pessoa assumir que é homossexual. Já sobre as novelas que passam cenas entre dois homens ou entre duas mulheres, por um lado é bom, já por outro nem tanto, acho que as crianças mais novas não deveriam ver cenas do tipo (assim como as cenas mais "pesadas" entre homem e mulher que rolam a solta cada vez mais), pois dependendo da idade é um assunto um tantinho complicado de se explicar, no entanto, se a criança já for mais crescida não vejo problemas, pelo contrário, é bom, pois assim ela começa a entender que existem vários tipos de casais, amor, família e assim por diante.
    Sobre a questão da altura, bem.......Eu estou MUITO longe de estar dentro dessa situação, pois só se o homem sofrer de nanismo para ser mais baixinho do que eu Ç.Ç, no entanto, essa questão é bem semelhante aquela de que o homem é que tem que ser mais velho do que a mulher! Eu conheço um casal em que a mulher é dez anos mais velha que o marido dela e eles dois vivem super felizes e de boas.
    Sobre Sailor moon eu num falo nada porque nunca vi o anime Ç.Ç, estou esperando terminarem de lançar o remake para ver o que diabos é esse dito Sailor Moon que todo mundo viu na Tv globinho menos eu Ç.Ç
    Enfim, adorei o post >.<
    Kiss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Hinata-channn!!!
      Obrigadaa <3 <3 <3 eu fiquei tão boba e feliz quando vi que tinha atingido minha meta *-*
      "Esses preconceitos já enraizados são os mais difíceis de se combater, pois além de serem difíceis de se identificar são coisas que já estão inseridas em nossa cultura", concordo muito! Acho estes os piores de todos, porque as vezes nem queremos ofender ninguém, mas é um tipo de comentário tão "comum" que acabamos repetindo e magoando alguém.
      Eu acho que tem umas pessoas que vão por modinha também, mas daí eu penso que estas pessoas não são aquelas que anos depois vão, por exemplo, querer adotar uma criança e ser discriminada, querer se casar com alguém do mesmo sexo e ser discriminada, entende? Também conheço muita gente que se diz gay por modinha, mas daí o caso deles é meio assim: hoje eu sou bi (porque na maioria eles nem são só gays ou lésbicas), mas quando eu for mais velho quero ter uma família "normal".
      Sobre as novelas eu também concordo, aliás, eu não me posicionei direito no post, só falei meio rápido demais, mas eu concordo. Tem muitas coisas nas novelas que as crianças não estão preparadas para ver, para conhecer. Mas por outro lado, conforme elas cresçam, são realidades que ela precisa saber que existem, e aprender a aceitar. Acho que minha posição é mais a de que os próprios pais dessas crianças comecem a aceitar que a homossexualidade não é uma anormalidade, pra que futuramente consigam conversar sobre o assunto com os seus filhos.
      Também estou muito longe desta situação de altura, shahuhaus' porque eu tenho 1,60m, achar alguém menor do que eu seria bem tenso, né? shuahusa'
      Irei confessar: eu vi Sailor Moon quando era criança mas eu nem entendia direito, sabe? O conteúdo em si eu não prestei atenção, então estou me programando pra ver de volta e prestar atenção desta vez :) haha'
      Obrigada pela visita Hinata-chan! <3
      Beijos

      Excluir
  4. Olá Emy >.< eu estou bem, e você?
    Parabéns pelos seus 80 seguidores *OO*! E espero que consiga alcançar 100 seguidores também >.<
    Sobre o layout, eu achei essas suas mudanças bem legais! Aquele cabeçalho tá um amorzinho *¬*

    Agora em relação á esses preconceitos, acho tamanha idiotice ter pessoal que se preocupa tanto em julgar a sexualidade dos outros, a altura, ou seja lá o que for. Por exemplo. já vi um casal que a garota era maior que o guri, e cheguei a ouvi gente os julgando, mas daí eu me pergunto, o que isso tanto incomoda? Eu acho tão normal, claro que no início eu estranho, porque é difícil encontrar casais assim, porém qual é a dificuldade de aceitar isso? É por causa desses estereótipos que tem preconceitos dessa forma, as pessoas ao passar do tempo vão impondo "regras", que se não segui-las, será um anormal em meio a sociedade :/.
    Sobre o homossexualismo, não vejo problema nisso também. Tem gente que diz ''ah, mas gays não podem fazer filhos", porém, essa mesma pessoa que disse isso, com certeza não deve julgar aqueles casais héteros que não querem ter filhos e acabam não tendo '-'. A única coisa que acho estranho, são aquelas pessoas que em um dia estão namorando um garoto, e já no outro estão com uma garota.
    Bem, sobre cenas homossexuais na televisão, toda novela tem sua classificação de idade não é? Acho que cabe aos pais ou responsáveis da criança, deixar ou não ela ver coisas assim. Eu sinceramente acharia melhor ela ter uma idade mais avançada, pra poder explicar direito esse tipo de coisa, mas acho que isso depende bastante.

    Confesso que as vezes uso termos preconceituosos sem ao menos me tocar KKKK, mas eu não tenho preconceito por alguma coisa. Digamos que eu falo, mas não quer dizer que eu me incomode. Eu já disse algumas vezes que "ah, homem não chora, isso e aquilo", mas na real, eu não vejo problema nenhum em homem chorar, mesmo que seja pela menor coisa possível, aliás, prefiro que chore do que fique se pagando de machão né? :v

    Ai não, eu tenho preconceito sim KKKK, por animes de romance onde os personagens masculinos principais são feios UHUSHS ;-; ou com cara de criança. Tipo Accel World, eu sempre deixo de lado esse anime pelo fato do guri não ser lá mil maravilhas ;-; ai

    Ótima postagem! *^*
    Beijinhos :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nanda-chan!! Estou ótima também (ainda mais agora que acabaram minhas provas, yayyy)
      Obriiiii *----------* espero conseguir mesmo, rs'
      "Acho tamanha idiotice ter pessoal que se preocupa tanto em julgar a sexualidade dos outros, a altura, ou seja lá o que for" toca aqui Nanda, é assim que se fala o/\o
      "A única coisa que acho estranho, são aquelas pessoas que em um dia estão namorando um garoto, e já no outro estão com uma garota." conheço umas pessoas assim. Às vezes parecem que eles só querem aparecer, sei lá. Também não consigo entender.

      Acho que todos nós somos meio preconceituosos mesmo sem querer. Mas também são bem estes comentários que todo mundo faz que podem acabar magoando alguém, né? Eu até tento cuidar, mas acabamos falando por ser algo "comum". É complicado :/
      nfessar que só vi o anime porque fiquei curiosa pra saber qual era a desse protagonista. No fim eu não curti a história nem nada, mas não deixa de ser um exemplo diferente, hahaha'
      Obrigada de novo Nanda-chan <3
      Beijos!

      Excluir
  5. Parabéns pela postagem. É um tema excelente ... polêmico, mas excelente. Afinal de contas, não existem assuntos que não devem ser discutidos, existem pessoas com as quais não devemos discutir.
    Acho que você abordou muito bem o conteúdo, vou até procurar o dorama (:
    Lovely Complex eu já assisti e gostei muito, acho que foi o primeiro anime que indiquei no blog, inclusive haha.

    Beijos :*
    Neon Básico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Gabriela!
      Concordo plenamente. É um assunto que precisa ser tratado, e discutido, pra tentarmos diminuí-lo aos poucos.
      Procure sim, é um amorzinho, você vai gostar <3
      LoveCom é demais, foi meu primeiro shoujo e até hoje, eu acho que é meu preferido.
      Beijos!

      Excluir

Não seja tímido(a)! Deixe seu comentário!! Nada deixa uma blogueira mais feliz do que ver que as pessoas gostam de seu blog.

• Seja coerente em seu comentário e nada de ofensas!
• Criticas e sugestões são sempre bem vindas.
• Deixe o link do seu blog no fim do comentário para que eu possa retribuir a visita.

Obrigada por ter visitado e comentado ♡